Quem sou eu Artigos Fotos com o deputado Deu na Imprensa Notícias Fale com o Junji Fale com o Junji
   
   
   
 
E-mail:
 
 
 
 
Natureza cobra dvida. hora de pagar
Sexta-feira, 08 de Janeiro de 2010 Enviar por e-mail Versão para Impressão acessos
1725
 
H 50 anos, no se ouviam neste Pas vozes de autoridades pblicas dissipando polticas de preservao da natureza e proteo ambiental. Talvez, em meio ento, quase inexistente, sociedade civil organizada, houvesse estudiosos, pesquisadores e especialistas conscientes, intransigentes na defesa do desenvolvimento sustentado, com a imperiosa necessidade de coexistncia harmoniosa entre ser humano e meio ambiente. De forma geral, essas manifestaes no encontraram ressonncia no Poder Pblico, tampouco no alicerce bsico de formao humana, que a educao escolar e familiar. No passado, no havia disciplinas curriculares nem a mnima preocupao nos lares com questes cruciais sobre o tema.

Tal registro no objetiva buscar culpados pela herana maldita. Afinal, j diz o ditado popular que guas passadas no movem moinhos. Contudo, importante relembrar os fatos para enraizar a conscincia inabalvel de que medidas urgentes precisam ser tomadas. Por todos do Planeta Terra, em nome da sobrevivncia humana.

Encaro este dever de cidado e homem pblico, com esprito de guerra. Na verdade, todos sabem, com maior ou menor abrangncia, das obrigaes para com o meio ambiente. Porm, em se tratando da natureza humana, egosmo, ganncia e negcios escusos acabam destruindo ou marginalizando interesses de ordem coletiva e global. Os exemplos esto bem diante dos nossos olhos. Basta citar os desencontros constatados na Conferncia de Copenhague, onde pases como EUA e China foram totalmente insensveis adoo de medidas protetoras do nosso Planeta.

No preciso ir longe. Aqui mesmo multiplicam-se ameaas de gente rica e poderosa que quer violentar disposies legais para construir beira de crregos, derrubar mata nativa e assim por diante.

Dentre tantas agresses natureza, reputo que a ocupao das reas de vrzeas em parte, ocorrida com amparo legal; em parte, derivada de invases a mais grave por trazer consequncias dramticas aos ocupantes e prejuzos aos habitantes de regies vizinhas. um erro crasso admitir edificaes e permanncia humana em reas de vrzea.

O Poder Pblico tem de tomar providncias cabveis para as remoes. Apenas as leis mais recentes protegem amplas reas de vrzea de qualquer tipo de ocupao. Portanto, aqueles que se instalaram por fora de antigas disposies legais precisam ser indenizados para deixar o local. J os invasores em sua totalidade, famlias de baixssima renda devem ser transferidos para moradias populares da CDHU ou de programas habitacionais como o PAR.

Aps tragdias, quase dirias, neste incio de vero, a comoo e solidariedade aos desabrigados vtimas de perdas totais ou parciais e, notadamente, s famlias enlutadas, so legtimas. A ajuda brota do seio da sociedade e as autoridades constitudas adotam medidas emergenciais. As feridas, porm, jamais vo se cicatrizar.

No h como corrigir, em alguns anos, um histrico de violncia contra a natureza que se perpetua por sculos. Alm da conscincia cvica coletiva para proibir novas agresses e congelar, por completo, a ocupao das vrzeas e a degradao do meio ambiente, cabe sociedade em parceria com o Poder Pblico, diminuir, ano a ano, o grande passivo ambiental.

Como exemplo, pino o caso de Mogi das Cruzes. Pela primeira vez, aps 2001, foi elaborado o Plano Diretor de Macro-Drenagem da cidade e iniciadas as obras. Por sinal, carssimas, como Reservatrio de Reteno (Piscino), uma srie de canalizaes, reconstruo de pontes dez, no Crrego dos Canudos; quatro, no Ribeiro Ipiranga; uma, no Crrego dos Corvos, etc... alargamento e aprofundamento da calha do Ribeiro Ipiranga e outras.

Alm de medidas executadas ao longo do tempo em que comandei a Prefeitura, elaboramos os projetos, submetemos aos rgos federais e obtivemos a liberao, via Caixa Econmica Federal, de recursos da ordem de R$ 70 milhes, a fim de que meu sucessor pudesse dar continuidade s aes de recuperao de reas degradadas visando o combate s enchentes. Mantendo os investimentos nesse ritmo, sem parar, creio que, daqui a 20 anos, os passivos ambientais de grande porte estaro superados em Mogi. um conjunto de medidas que tm de ser implementadas pelo bem da sociedade, independente de quem esteja no governo.
Enviar por e-mail Versão para Impressão   Ler mais artigos
 
   



     
 
11/04/2014
Ateno aos obesos
 
08/04/2010
Imprensa amordaada, fim da democracia
 
09/07/2010
De corpo e alma
 
 
 
 
JUNJI ABE  |  NOTÍCIAS  |  ARTIGOS  |  IMPRENSA  |  GALERIA  |  Todos os direitos reservados © Junji Abe 2011  | Login


Correspondência: Av. Fausta Duarte de Araújo, nº 145 - CEP: 08730-130 - Jd. Santista - Mogi das Cruzes - SP   |   Telefone: (11) 4721-2001   |   E-mail: contato@junjiabe.com