Quem sou eu Artigos Fotos com o deputado Deu na Imprensa Notícias Fale com o Junji Fale com o Junji
   
   
   
 
E-mail:
 
 
 
 
Uma divindade chamada mulher
Quinta-feira, 04 de Mar�o de 2010 Enviar por e-mail Versão para Impressão acessos
1609
 
No importa a ditadura do modelo ocidental de beleza. Todas so divas. Cada qual a sua maneira. Com os prprios atributos e peculiaridades. Seja Marilyn Monroe, a musa do sexy appeal; seja Zilda Arns, cone da devoo ao prximo; sejam Maria, Ana, Helena, a minha amada Elza, todas divinas criaturas. O que quer que foi e venha a ser dito em homenagem mulher ainda estar muito aqum do que ela merece. A mulher me da vida. dela o dom de gerar outro ser humano. De confort-lo e nutri-lo ainda no ventre.


Quem sabe o super-homem venha nos restituir a glria
Mudando como um deus o curso da histria
Por causa da mulher

Gilberto Gil, em Super-Homem, a Cano
http://www.youtube.com/watch?v=jFBJ3U2uvN8


Em que pese meu respeito igualdade dos sexos, no consigo admitir certas coisas. Por exemplo, a mulher carregando sacolas pesadas enquanto o homem fuma um cigarro. Ou, colocando os sacos de lixo para a coleta enquanto ele v televiso. A meu ver, homem que maltrata mulher no serve nem para adubar tiririca.

Para mim, macho que macho abre a porta do carro para a dama entrar, ajeita a cadeira no restaurante e paga a conta, manda flores, declara seu amor e ajuda nas tarefas domsticas. Ah, sim! Lavar loua no faz cair as mos de homem nenhum. Tambm no di colaborar para manter a casa em ordem. Ningum precisa largar roupas e sapatos espalhados para ser feliz. Nem jogar a toalha molhada em cima da cama. Muito menos, deixar levantada a bacia do vaso sanitrio. Disciplina faz bem e no tem contraindicao.

Verdade seja dita: a mulher concilia tudo com a desenvoltura que ns, os mortais do sexo masculino, jamais teramos. Amigo, voc pode at fingir que no percebe, mas sabe que ela d conta do recado trabalha fora, cuida da casa e dos filhos (incluindo, ajudar nas lies), faz compras, bate-papo com as amigas, nos aconselha (felizmente, mesmo quando no queremos) e ainda nos salva no quesito vesturio corrigindo nossos deslizes e dando um jeitinho de sumir com aquela camisa horrorosa que insistimos em usar.

O que falarei agora pode ser doloroso para os companheiros. Se acham que no vo suportar, parem de ler aqui.


Com um pouco de empenho, d para superar a obsesso de zapear canais no controle remoto, principalmente durante os intervalos dos programas prediletos dela. Mais uma coisa: dilogo a ferramenta nmero 1 do bom relacionamento. Portanto, parceiro, precisamos, sim, conversar. No vale fingir que presta ateno ao que ela diz enquanto se mantm vidrado no jogo de futebol transmitido pela TV. Pior: como se nada mais existisse, voc dispara um xingamento ao juiz ou grita Goooooooool, junto com o Galvo Bueno.

Devo ressaltar que participar da vida domstica no quer dizer s trocar a lmpada queimada ou consertar o chuveiro. Significa compartilhar preocupaes e batalhar em conjunto na busca de solues. preciso conviver mais e melhor.

O que parece banal aos olhos do homem pode ser pecado capital sob a aguada viso feminina. Sei que culpa da sensibilidade subdesenvolvida do sexo masculino, mas isto no justifica ignorar o penteado novo dela nem deixar de elogiar a comida que ela levou horas para preparar. Portanto, senhores, tratemos de ser mais cautelosos.

Se voc, meu amigo, destes que no ouve a mulher, antecipo-lhe meus sentimentos de pesar: dar muitas cabeadas na vida... Atire a primeira pedra aquele que nunca se deu mal numa investida porque contrariou a intuio afiadssima, por sinal de uma mulher. Elas quase sempre tambm tm razo. No h motivo para ter vergonha de aprender com elas.

Todas essas consideraes no se cingem ao Dia Internacional da Mulher. uma verdade com provas cotidianas. At porque, a mulher especial demais para ser homenageada numa nica data. E no tora o nariz, companheiro, alegando que o pblico masculino ficou desprovido de tal tributo. Inveja anoitece o corao. E, na realidade, o homem recebeu do Criador o maior prmio j dado a um mortal: a divindade chamada mulher. Resta-nos, senhores, dedicar um bocado de esforo para, um dia, sermos dignos da mais bela obra Dele.
Enviar por e-mail Versão para Impressão   Ler mais artigos
 
   



     
 
11/04/2014
Ateno aos obesos
 
08/04/2010
Imprensa amordaada, fim da democracia
 
09/07/2010
De corpo e alma
 
 
 
 
JUNJI ABE  |  NOTÍCIAS  |  ARTIGOS  |  IMPRENSA  |  GALERIA  |  Todos os direitos reservados © Junji Abe 2011  | Login


Correspondência: Av. Fausta Duarte de Araújo, nº 145 - CEP: 08730-130 - Jd. Santista - Mogi das Cruzes - SP   |   Telefone: (11) 4721-2001   |   E-mail: contato@junjiabe.com